Total de visualizações de página

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Os videos mais vistos no celular

video
video
video

Como Comi Minha Sobrinha usando o MSN

Como Comi Minha Sobrinha usando o MSN

Sou Luiz Paulo e tenho 37 anos, casado 2 filhos e uma esposa linda e maravilhosa. Sempre concordei plenamente com as decisões de minha esposa. Foi por isso que aprovei a contratação de nossa sobrinha para trabalhar em nossa casa. Melissa é uma menina adolescente cursando o 2º grau que precisava de ajuda. Sua mãe, irmã de minha esposa vinha de uma separação dolorosa com o marido e passava por dificuldades financeiras. Pediu para darmos trabalho para uma de suas filhas para que ajudasse no sustento da casa. Melissa trabalhava de manhã e a tarde ficava estudando, aproveitando o computador de nossos filhos que estudavam neste horário. À noite ela ia para a escola e dormia em sua casa. Acontece que algum tempo depois, comecei a notar o sumiço de algumas coisas em nossa casa. Sumiam pequenas quantias do bolso de minha calça, xampu, sabonete, perfumes etc . Talvez fosse apenas uma coincidência ou simplesmente uma implicância minha com a menina. O fato é que minha esposa pareceu me ignorar. Mas continuava a notar pequenos sumiços e desta vez as vítimas estavam sendo meu cds. Tinha que dar um jeito de provar para minha esposa que era Melissa a responsável por tudo. Trabalho numa loja, em frente a minha casa, a qual sou proprietário e fica fácil dirigir-se até ela nos fundos. Então certo dia precisei pegar uns papéis e passando pelo corredor do quarto, vi Melissa usando o computador. Ela perguntou se eu precisava de alguma coisa. Disse que sim, que queria minha maleta que estava no quarto. Ela se ofereceu para ir buscar e eu aceitei. Aproveitei e entrei no quarto para espiar o computador. Melissa estava usando o MSN, e se comunicava com algumas amigas. Melissa voltou e me entregou a maleta e voltei para a loja. Ao trabalhar no computador, tive uma idéia. Criar um MSN como se fosse uma adolescente de sua idade, ganhar sua confiança e tentar descobrir se era ela que dava sumiço em minhas coisas. No dia seguinte, praticamente no mesmo horário voltei em casa e pedi a mesma coisa. Enquanto Melissa foi pegar a maleta, gravei o endereço do MSN dela para poder adicionar em meu computador. Quando cheguei na loja, criei um Msn, adicionei seu endereço e não demorou nadinha para que ele aceitasse. O nome da pessoa que criei era Thaís. Mesma idade, mesmo ano de curso morando em uma cidade bem distante, porém na mesma situação, morando com os tios. Minutos depois ela me abordou perguntando como eu tinha conseguido seu Msn ? Disse que consegui com um amigo e consegui enrola-la. Agradeci mas disse que precisava sair e desconectei. Decidi ganhar a confiança dela aos poucos e assim conseguiria descobrir tudo que quisesse. No dia seguinte, precisava verificar uns papéis e antes de conectar o MSN fui até minha casa. Ao passar pelo corredor, vi que Melissa estava deitada na cama lendo. Pela primeira vez notei seu corpinho. Ela estava com um short bem apertadinho. Seu corpo já era bem desenvolvido, com umas coxas grossas e seios fartos. Fiquei excitado. Curioso é que não senti remorso por me excitar com minha sobrinha afinal, ela era sobrinha de minha esposa. Voltei para a loja e fiquei aguardando Melissa entrar no MSN. Não demorou muito. Já a abordei e perguntei o que estava fazendo, do que gostava etc.etc. Fui ficando amigo, ou melhor “amiga” de Melissa. Todo dia conversávamos um pouco e a cada dia que passava, eu ganhava mais e mais a confiança dela. Certo dia precisei ir à minha casa novamente em horário de trabalho e fiquei por lá fazendo umas ligações. Demorei um pouco mais do que de costume. Quando ia saindo, resolvi passar pelo corredor do quarto para quem sabe ter a sorte de ver minha sobrinha com aquele shortinho e Bingo !
Lá estava ela deitadinha de bunda para cima com o mesmo shortinho. E dele pau duro outra vez. Fui até o fim do corredor, despistei e voltei, dei mais uma olhadinha e fui trabalhar. Chegando na loja, entrei no Msn de Thaís e esperei Melissa entrar. Ela demorou um pouco, mas logo se conectou. Perguntei a ele porque demorou para entrar nesta tarde e ela respondeu que demorou porquê o tio estava na casa e ela temia que ele ficasse bravo se não a visse estudando. Na verdade eu nunca a tinha cobrado sobre isso e achei que era uma mentirinha de adolescente. Então aproveitando a oportunidade, perguntei a ela como era o tio ? Esperava que ela respondesse que eu era quieto, rígido, bravo ou sei lá, mas o que ela respondeu, mudou totalmente o rumo dos meus planos com ela. Ela respondeu que eu era bonito e gostoso. E que tinha um corpão de tirar o fôlego. Fiquei felicíssimo ao ler o que minha sobrinha tinha escrito. Pela primeira vez tive certeza que os quase 8 anos de academia e esportes tinham valido a pena. Afinal despertar o interesse de uma jovem adolescente não é pra qualquer um. Meu pau ficou duro, só de imaginar o que aconteceria de agora em diante. Respondendo como Thaís, disse a ela que meu tio era bonito também e por isso mesmo, passei a fazer umas coisas com ele. Melissa curiosa quis saber o que era? Disse que eram umas coisas, que estavam me trazendo muitas vantagens. Que desde que eu fazia isso, eu sempre tinha um dinheirinho para as baladas, para comprar algumas bobagens como revistas, roupas etc. Melissa ficou muito curiosa e quis saber logo o que era. Disse que no dia seguinte lhe contava, pois precisava sair. Ela disse que eu devia “essa”para ela e que ia me cobrar no dia seguinte. Saí do Msn muito excitado. Via a possibilidade real de faturar minha sobrinha. Isso era o Maximo e passou a tomar toda minha atenção desde então. Achei que foi uma boa deixar para lhe contar no dia seguinte, pois assim eu veria se ela realmente tinha interesse e eu poderia pensar mais e melhor no que iria dizer. Em seguida fui ao banheiro da loja mesmo e toquei uma punheta daquelas. Só assim pude trabalhar. Evitei vê-la naquele dia. Quando cheguei em casa ela já tinha saído. No dia seguinte estava apreensivo. Na hora do almoço, minha mulher teve que me chamar a atenção porque estava no mundo da lua. Estava bolando o que falar a Mellissa. Não podia estragar tudo. Na podia assustá-la. De relance na mesa do almoço, eu a olhava. Meu pau ficava duro com freqüência. Eu media aquele corpinho de cima a baixo e imaginava o estrago que meu pau faria nela, caso topasse transar comigo. A tarde antes de entrar no computador, fui dar aquela passeada em casa, só para ver a roupa que vestia. Ela sempre trocava as roupas de trabalho por uma mais confortável a tarde. Estava com o mesmo shortinho. Fui logo pra loja e entrei no Msn. Ela já estava online e desta vez foi ela que me cobrou. Disse que estava com meu tio. Ela perguntou então se eu estava fazendo aquilo que fiquei de contar a ela. Respondi que sim. Ela então quis saber. Fui seco, ou melhor “fui seca”. Disse a ela que transava com o tio e que assim conseguia certas facilidades na vida. Ela respondeu que já imaginava que fosse isso. Disse também que para ela isso seria impossível. Perguntei por que impossível ? Ela respondeu que jamais teria coragem de se oferecer. Disse a Melissa que não precisava se oferecer. Que bastava que fizesse as coisas certas e tudo aconteceria normalmente. Como Thaís me ofereci para ajudar e perguntei se realmente queria fazer aquilo ? Ela disse que sim, pois precisava do dinheiro. Tinha muita coisa que ela precisava comprar. Na hora me senti um crápula, mas, se não fosse eu, seria outro. Perguntei a Melissa se seu tio era realmente bonito e se isso não seria sacrifício demais. Ela respondeu que sim, que era realmente bonito e estava até mesmo desejosa, mas que o problema era não ter experiência nenhuma pois tinha perdido a virgindade para um garoto em cinco minutos e isso era tudo. Fiquei com mais tesão ainda e pedi para que não se preocupasse. No dia seguinte começaria a dar lhe as dicas de como fazer. No outro dia, percebi na hora do almoço que era Melissa que me olhava diferente e fiquei apreensivo. Tinha certeza que tudo ia dar certo e já me preparava para comer minha sobrinha. No Msn a tarde comecei a dar as dicas a ela.Perguntei se o tio, que era eu, ia sempre em casa nos horários que estava sozinha. Ela respondeu que sim e não. Então disse a ele que se caso ele não fosse, ela teria que ligar e dizer que a torneira estava com defeito ou coisa assim. Algo pra chamar a atenção. Deveria estar com uma roupa muito provocante, pois só assim despertariam os desejos e a atenção do tio. Ela concordou e disse que iria fazer isso nesse exato momento e saiu do Msn. Eu fiquei perplexo comigo mesmo. Estava jogando com minha sobrinha. E como as idéias vinham fáceis. Em 10 minutos o telefone tocou e meu funcionário me passou a ligação. Melissa pediu para eu ir a casa ver uma torneira que pingava. Exatamente como sugeri. Fui direto ao seu quarto perguntar qual torneira vazava e me deliciei com a Melissa deitada na cama, com uma mini-saia branca. Ela estava de bunda para cima, com a sainha levantada até o ponto que me permitia ver parte de sua calcinha. Ela disse que a torneira do banheiro é que estava vazando. Cheguei lá e a torneira como era de se esperar esta boa. Então voltei a quarto e vi que Melissa tinha levantado um pouco mais a saia. Dava para ver o inicio do contorno de sua bundinha. Disse a ela que o problema da torneira estava resolvido. Fiquei ali olhando ela um pouco e saí. Entrei no Msn. Logo ela entrou. Reclamou que não tinha dado certo. Bancando a Thaís, disse para não se preocupar. Com certeza o tio tinha notado. Deveria repetir no dia seguinte. Insistir até que tivesse uma brecha. Me despedi e saí do Msn. Na verdade, eu é que não quis que fosse neste dia. Já era tarde e minha esposa sempre chegava às 5 horas e esquecer do tempo num caso desses é normal e muito perigoso. No dia seguinte no que cheguei na loja, liguei para Melissa que iria lá para pegar uns cds. Aguardei uns 15 minutos e fui. Fui direto até o quarto como se tivesse algo pra perguntar. Melissa estava deitada. Fingia que dormia. Estava com saia do dia anterior. Estava de bruços, quase de lado com a sainha bem levantada. Dava para ver boa parte de sua bundinha e ver também que estava sem calcinha. Que visão. Chamei por ela e ela não respondeu. Só suspirou. Me sentei na cama em seu lado e comecei a passar a mão em sua bunda. Ela ficou imóvel. Aproveitei os movimentos e descobri toda a sua bunda.Estava sem calcinha, peladinha. Que maravilha ! Aquela pele lizinha. Aqueles contornos. Ela se movimentou e ficou bem de costas. Levantei-me e fiquei em pé.Ela ficou deitada um pouco e então abriu as pernas. Meu pau estava arrebentando minhas calças. Fui por sobre ela e comecei a beijar sua bundinha . Abri e passei a língua por seu cuzinho. Ela se contorceu. Comecei a passar meu dedo na bucetinha dela, que logo ficou encharcada. Masturbei ela por longos minutos. Ela gemia e se contorcia sempre levantando a bundinha para cima. Nem se preocupava mais em fingir que estava dormindo. Tentei enfiar meu dedo. Ela fez expressão de dor. Continuei assim mesmo. Em breve ela iria enfrenta algo muito maior. Atolei meu dedo em sua bucetinha. Então a virei, e comecei a chupala. Ela gemia, se contorcia. Eu fazia movimentos circulares com a língua, enquanto metia meu dedo nela. Então parei. Fiquei em pé e pedi para que ela se sentasse na cama. Cheguei bem perto dela. Perguntei se ela sabia o que eu queria. Ela não disse nada, apenas começou a desabotoar minha calça, o zíper e depois a abaixou. Perto do rosto dela, ficou apenas aquele volumão do meu pau duro, ainda protegido pela cueca. Ela ficou algum tempo olhando e então abaixou minha cueca também. Olhou para mim e reclamou que meu pau era muito grande. Disse para que não se preocupasse com isso, pois eu saberia como usa-lo e que em nenhum momento iria machucá-la. Ela, nitidamente mais tranqüila, o segurou com a mão e começou a lamber. O abocanhava às vezes, mas tinha nítidas dificuldades em chupar. Logo pedi para que parasse e pedi para que se deitasse. Deitei ao lado dela. Levantei uma só perna e arrumei meu pau na bucetinha. Comecei a empurrar aos pouquinhos. Enfim quando a cabeça entrou comecei a meter. Melissa tinha expressão de dor. Mas não parei, e continuei a meter. Quando podia, enfiava mais um pouquinho até que em determinado momento percebi que ela não expressava mais dor e sim prazer. Então me aproveitei e enfiei tudo. Atolei. Ela fez cara de prazer. Ai meti com força. Ela estava adorando e eu também. Pedi para ele ficar de costas deitadinha, com as pernas abertas. Enfiei tudo e quando pude me deitei sobre ela. Explodi.tirei meu pau e gozei sobre a bunda dela. Que delicia! Ela ficou deitada. Pedi para que ela fosse tomar banho, e que depois eu voltava para conversarmos. Algum tempo depois voltei e lá estava ela nua no quarto colocando roupas. Impedi e pedi para que batesse uma punheta pra mim. Tirei meu pau pra fora e ela começou a me masturbar. Meu pau ficou novamente duro como pedra. Botei ela de quatro na cama e sem pestanejar mandei o pau nela outra vez, sempre cuidando para não machucá-la. Foram mais de meia hora socando naquela bucetinha. Esporrei sobre suas costas. Desta vez, fui tomar banho com ela e pedi a ela que não contasse nada para ninguém. Perguntei se ele tinha gostado. Ela respondeu que sim. Após o banho, dei algum dinheiro para ela e fui trabalhar. Atualmente transamos todos os dias e ensinei a ela como se chupa. Estou muito feliz agora com minha sobrinha. Ela é ótima. Ainda finjo ser a amiga do Msn para ver se ela não esta enjoada de mim. Não está não. Nem de mim, nem do dinheiro.


Fonte: http://www.contoseroticos.com.br/3.0/ler.php?id=18555&autor=Drica&mostrar_email=nao

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

SEXO DENTRO DO CARRO

video
Clara diz:

Pra quem ainda não me conhece sou morena clara, cabelos castanhos lisos na altura dos ombros, 1,60, 52 kg, seios médios, cinturinha e bumbum arrebitado. Do tipo gostosinha. E tenho muito fogo.
Uns dois meses atrás, numa daquelas festinhas da faculdade conheci um irmão de um colega da sala e fique caidinha por ele. Vou chamá-lo de Ricardo.
Ricardo tem 22 anos (eu tenho 26) é loiro, olhos claros e corpo atlético e do tipo garotão e logo quando o conheci achei que ia rolar algo mas naquela noite só um selinho na ora da despedida. Passaram-se algumas semanas e como não tive notícias acabei esquecendo dele até que numa noite ele apareceu para dar carona ao irmão que estava sem carro naquele dia.
Novamente olhei pra ele cheia de desejo e desta vez ele retribuiu com um olhar tão sacana que me senti comida ali mesmo no corredor da faculdade. Ele então me convidou para sair no dia seguinte que seria sexta-feira e topei na hora. Além de querer muito aquele gato eu estava sem transar há quase um mês e já subindo pelas paredes.
No dia seguinte cheguei em casa do trabalho, tomei um banho de princesa, me perfumei toda e coloquei um vestidinho de parar o trânsito.
Por volta das 21 horas ele chegou. Estava um gato, e cheiroso como todo homem deve ser. Mal entrei no carro ele já me elogiou dizendo que eu estava maravilhosa. Fiquei super feliz e pensei comigo: essa noite promete e saímos sem rumo. Demos algumas voltas e decidimos ir até São Paulo num bar que ele disse conhecer e que era muito agradável.
No caminho colocou a mão na minha perna e começou a acariciar a parte de dentro da minha coxa me deixando arrepiada de tesão com aquela mão quente e gostosa. Retribui me aproximando dele e também colocando minha mão nas pernas grossas dele que suspirou quando eu me aproximei ainda mais e dei um beijo no seu pescoço.
Ele então subiu pela minha coxa até chegar na minha calcinha que já estava molhada e foi tentando colocar minha calcinha de lado até conseguir e começou a dedilhar minha bucetinha sedenta.
Gemi alto no ouvido dele e fui direto no zíper da sua calça e num segundo estava com aquela tora quente e grossa na minha mão.
Estávamos numa avenida movimentada mas não me importei e até fiquei mais excitada de quem sabe alguém estivesse nos vendo.
Aquele cheiro de homem me deixou com tanto tesão que não resisti e cai de boca naquele pinto gostoso. Comecei lambendo a cabeça e fui fazendo uma longa descida e depois tentei enfiar tudo na minha boca mas não cabia. Continuei chupando gostoso enquanto ele enfiava um e depois dois dedos na minha xaninha.
Confesso que adoro chupar e, modéstia a parte, chupo como nenhuma outra.
Chupei tanto e tão gostoso que o pau do Ricardo começou a crescer ainda mais na minha boca e pressenti que o leitinho estava perto. Não tive medo e como adoro isso deixei ele gozar gostoso na minha boca. Ele tremia tanto que pensei que fosse bater o carro.
Mesmo depois dele gozar continuei chupando e qual foi minha surpresa quando ele continuou duro na minha boca. Continuei naquele vai e vem quando percebi que o carro parou. Levantei assustada e ele me tranqüilizou dizendo que estávamos numa rua deserta e que ele já conhecia e não via perigo nisso e que queria me comer ali mesmo.
Não pensei duas vezes, levantei meu vestido e montei no colo dele enfiando tudo de uma só vez. Fiquei fora de mim com aquele pau gostoso, quente e melado entrando e saindo de mim.
Ele era realmente muito bom de cama, ou melhor, de carro. Sabia como me deixar louca. Enquanto eu cavalga ele ajudava no movimento colocando as duas mãos na minha bundinha e ao mesmo tempo chupava meus peitos sem parar. Ficamos naquele vai e vem por um longo tempo até que ele começou a penetrar meu cuzinho com seus dedos compridos. Dei um gritinho rouco e gozei. Aquele foi o sinal verde pra ele que me pediu com muito carinho: gatinha deixa eu comer o seu cuzinho?
Claro que não resisti e aceitei na hora. Ele então me colocou de costas pra ele desta vez e eu fui sentando bem devagar naquele pinto gostoso. Nunca tinha dado a bundinha para alguém com aquele tamanha de pinto mas não fiquei com medo e continuei.
Quando comecei a rebolar no pau dele ele começou a me xingar de putinha, vadia e dizer que nunca havia comido um rabinho tão gostoso como o meu. Aquele elogio me fez ficar ainda mais safada e comecei a rebolar como nunca naquele pau gostoso.
Gozei novamente e não demorou muito senti jatos de porra na minha bundinha. Fiquei ali sentada naquele cacete ate que ele ficasse mole. Voltei para o banco do passageiro me arrumei e como já não tínhamos forças para mais nada ele me levou pra casa me prometendo que repetiríamos a dose.
Beijos e até a próxima.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

SÓ UMA POESIA

Só uma poesia

Sinto em meu corpo
sua língua.
Que me arde
Como se fosse
um chicote
de
fogo.

E mesmo que
eu não queira
me induz
a jogar
o seu
jogo.

Me entorpece
os sentidos,
abafa-me
os gemidos
até provocar
o meu
gozo.

Que poder
é esse?
Que sedução
devassa,
é essa
que sinto
sempre
que você
me abraça?

Só de lhe ver
me arrepia
a pele, em
choques
térmicos.
E me rendo
pacífico
aos seus
desejos
hipotéticos.

Me excita e
submete
a sua ousadia.
Mas sempre
mais e mais,
como num
crescendo,
embarco
na nossa
fantasia.

E quando
entregue
aos nossos
devaneios
sentindo
em meu
corpo
os seus
meneios,
nada mais
importa.

Abrimos do desejo
as portas,
simplesmente
porque
você é
minha lua
e eu...
seu sol...


Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=158921#ixzz17Tgd2h1F
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives